Buscar
  • dragisele

Transtorno Alimentar Restritivo/Evitativo


O momento da refeição pode ser um problema para os pais cujos filhos não gostam de se alimentar. Não raro, as crianças rejeitam alimentos novos e escolhem o que querem comer, sempre repetindo os mesmos cardápios. Muita gente não sabe, mas essa falta de interesse pode ser um distúrbio alimentar conhecido como Transtorno Alimentar Restritivo/Evitativo (TARE) ou transtorno de seletividade alimentar?


Neste texto, você vai conhecer mais sobre esse transtorno e como ele pode ser percebido no dia a dia. Boa leitura!!


Desvendando o Transtorno Alimentar Restritivo/Evitativo

Mais comum na fase da infância, o TARE se configura pela falta de interesse em experimentar alimentos novos, podendo prejudicar o desenvolvimento físico e mental. Isso porque a ausência de alguns alimentos no dia a dia pode levar à carência de vitaminas e nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do nosso corpo.


É importante destacar que a rejeição pode estar ligada à textura, cor ou ao cheiro do alimento. Ou seja, é possível que uma característica da comida faço com que a pessoa não consiga ingeri-la. Um exemplo é a cor verde-escuro presente em algumas verduras de folha, como a couve e o brocólis.


O diagnóstico do Transtorno Alimentar Restritivo/Evitativo

Ter preferência por determinados alimentos é comum em todos os períodos da vida. Mas é preciso estar atento, principalmente às crianças, para entender até que ponto isso é normal.


Quando a rejeição por algumas comidas começa a prejudicar a saúde, levando à perda significativa de peso e a sintomas que podem estar ligados a deficiência de nutrientes e vitaminas, é hora de procurar um especialista para que o diagnóstico seja feito e o tratamento adequado seja introduzido ao paciente.



27 visualizações0 comentário