Buscar
  • dragisele

Obesidade não é questão de imagem, mas de saúde!


A obesidade não é apenas uma questão de estética. Ela deve ser vista como um problema de saúde que precisa de atenção. Segundo o mapa da obesidade, divulgado no site da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica, a estimativa é que, em 2025, 2,3 bilhões de adultos estejam acima do peso no mundo. Os casos de obesidade devem chegar a 700 milhões.

Outro dado alarmante é o aumento dessa doença nos últimos anos. De acordo com a Pesquisa Nacional de Saúde de 2019, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a proporção de obesos na população com 20 anos ou mais de idade mais que dobrou no Brasil entre 2003 e 2019. Em porcentagem, o número saltou de 12,2% para 26,8%. Entre as mulheres, a doença subiu de 14,5% para 30,2%. Já entre os homens, o aumento foi de 9,6% para 22,8%.

Ainda no cenário nacional, em 2019, 41 milhões de pessoas, de 18 anos ou mais, estavam obesas.

Mas, quando uma pessoa é considerada obesa?

A obesidade é diagnosticada com base no Índice de Massa Corporal (IMC), que é calculado por meio da divisão do peso pela altura elevado ao quadrado (peso/altura²). Se o resultado do IMC for superior a 30 o paciente é considerado obeso.

Porém, vale ressaltar que esse cálculo é apenas um direcionamento. O diagnóstico precisa ser feito por um profissional da saúde. Isso porque pode ocorrer de o índice ser menor e o paciente ser considerado obeso, devido a concentração de gordura em um lugar específico do corpo, como na região abdominal, por exemplo.

Causas da obesidade

A obesidade tem como principais causas a alimentação inadequada ou excessiva e a falta de atividades físicas regulares. Por isso, a mudança de hábito e a busca pelo equilíbrio entre as calorias consumidas e gastas é fundamental.

Vale destacar ainda que existem questões genéticas associadas à doença, como ter metabolismo lento ou herdar problemas relacionados à tireoide, por exemplo.

Além disso, o psicológico manda muito no corpo, e doenças como ansiedade e compulsão alimentar também podem causar ou agravar o quadro da obesidade.

Obesidade não é questão de imagem, mas de saúde

A obesidade precisa ser encarada como uma doença bastante grave. Isso porque ela pode levar a diversas outras doenças, como problemas cardíacos, hipertensão, diabetes tipo 2 e alguns tipos de câncer.

O fato é que a autoaceitação é muito importante e necessária, mas ela não pode substituir o cuidado com a saúde e com a qualidade de vida. E o principal: após o diagnóstico, a obesidade precisa ser tratada adequadamente para que não ocorram problemas mais graves.

Em resumo, a obesidade não é apenas uma questão de estética em que o importante é estar de bem com o espelho. É uma doença crônica que traz diversos agravantes para a vida do paciente. Nesse contexto, a busca por ajuda médica jamais deve ser dispensada.

O acompanhamento médico no combate à obesidade

A obesidade não pode ser normalizada, especialmente por trazer consigo fatores de risco para diversas outras doenças. O acompanhamento de um especialista ajuda o paciente a entender a gravidade da situação, bem como viabiliza o tratamento adequado da doença.

Vale ressaltar que a atenção com a saúde precisa ser uma prioridade. E subestimar doenças, deixando de se cuidar, pode acarretar em problemas muitos sérios.

Tem dúvidas sobre o diagnóstico e tratamentos da obesidade? Me mande aqui, nos comentários, ou entre em contato pelos telefones (31) 3646-0416 ou (31) 99780-1872.


9 visualizações0 comentário