Buscar
  • dragisele

Obesidade não é “falta de força de vontade”!


Doutora, obesidade é ou não é uma questão de força de vontade?

Essa é uma pergunta muito frequente. Afinal, há quem acredite que para emagrecer basta querer. O fato é que não é bem assim e, neste texto, vou te contar um pouco sobre esse assunto. Boa leitura!


Números da obesidade no Brasil

Antes de mais nada, preciso ressaltar alguns dados. A obesidade é uma doença cada vez mais presente na população mundial. Somente no Brasil, os casos da doença aumentaram 67,8% nos últimos 13 anos. Foi o que apontou o mapa da obesidade, elaborado pela Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO).

Os adultos de 25 a 34 anos foram os que tiveram maior taxa de crescimento da obesidade. Em seguida, as pessoas com idade entre 35 a 44 anos. Na pesquisa, as mulheres apareceram em maior número.


Vale ressaltar que uma pessoa é considerada obesa quando o Índice de Massa Corporal (IMC) é superior a 30. Esse número é calculado por meio da divisão do peso pela altura elevado ao quadrado (peso/altura²).


Lembrando que a obesidade precisa ser diagnosticada por um especialista. Isso porque pode ocorrer de o índice ser menor e o paciente ser considerado obeso, devido a concentração de gordura em um lugar específico do corpo.


Com o crescimento dos casos de obesidade, uma série de desafios se mostram urgentes, sobretudo no que envolve a conscientização. Nesse contexto, é preciso esclarecer algumas inverdades sobre a doença. Uma delas é: a obesidade não é falta de força de vontade.


A obesidade é uma doença


A obesidade tem como principais causas a alimentação inadequada ou excessiva e a falta de atividades físicas regulares. Por isso, a mudança de hábito e a busca pelo equilíbrio entre as calorias consumidas e gastas é fundamental. Porém, a doença também pode estar ligada a fatores genéticos, como o metabolismo lento e a herança hereditária de problemas relacionados à tireoide.


Além disso, a doença pode ser associada ao psicológico, que manda muito no nosso corpo. Doenças, como ansiedade e compulsão alimentar, por exemplo, também podem causar ou agravar o quadro da obesidade.

Lembrando que é preciso encarar a obesidade com seriedade, uma vez que ela é fator de risco para outras doenças graves, como problemas cardíacos, hipertensão, diabetes tipo 2 e câncer.

O tratamento da obesidade

Após o diagnóstico da obesidade, é preciso que o paciente comece o tratamento e as estratégias vão depender do grau da doença e dos fatores que levaram a ela. Hoje em dia, existem medicamentos que auxiliam e devem ser aliados à prática de atividades físicas.

"Estamos no limite de um grande progresso para medicamentos antiobesidade. Escrevendo em Cell Metabolism, Fiona Gribble e Stephen O'Rahilly chamam isso de o fim do começo. Eles têm grandes esperanças de novos medicamentos para tratar a obesidade - uma das doenças crônicas mais comuns e difíceis que enfrentamos. Mas esses avanços vão de encontro a alguns negadores ardentes. Portanto, qualquer pessoa com interesse nos cuidados com a obesidade deve estar pronta".

Conheça alguns desses opositores a esse tratamento:

Foodies: Muita gente ligada ao mundo gourmet tem a visão de que a alimentação saudável é a saída para a obesidade. O fato é que, para algumas pessoas, a mudança de hábito e uma dieta saudável podem sim fazer a grande diferença. Porém, quando falamos em obesidade, isso não é a cura.


Vale ressaltar que, inclusive, muitas pessoas obesas possuem hábitos saudáveis e mesmo assim não conseguem emagrecer.


Tendenciosos: Várias pessoas enxergam a obesidade como resultado de uma vida de preguiça e gula. Por trás, há até um pensamento errôneo de que os recursos médicos são desperdiçados com essas pessoas.


Negadores: Muita gente acredita que a obesidade não é uma doença e, sim, um comportamento. Mas a negação mais explícita vem do movimento de aceitação de gordura em que é possível perceber uma paixão por negar que a obesidade é real. Ou seja, as pessoas que militam nesse movimento pregam que a obesidade não é um problema de saúde.

Quer saber mais sobre o assunto? Entre em contato pelos telefones (31) 3646-0416 ou (31) 99780-1872.


11 visualizações0 comentário