Buscar
  • dragisele

Quando duas pandemias se encontram:obesidade aumenta letalidade da Covid-19!



Desde o início da pandemia do novo coronavírus, eu tenho pesquisado, todos os dias, sobre os desdobramentos dessa questão. E hoje eu me deparei com um artigo de dois dos pesquisadores mais importantes do mundo quando o assunto é obesidade e metabolismo: Steve O'Rahilly e Sam Lockhart.


E atenção para o que eles disseram: há um crescente corpo de evidências indicando que a obesidade está fortemente associada a resultados ruins da Covid-19, incluindo a morte. Ou seja: o risco de morte em pessoas obesas infectadas com o novo coronavírus é muito mais alto, assim como a necessidade de internação em UTI.


Logo após o surgimento da doença, houve uma enxurrada de relatórios hospitalares em todo o mundo chamando a atenção para um aparente excesso de pacientes obesos entre os que precisaram de respiradores. Foi registrado também que quanto maior o nível da obesidade, maior o risco.


Mas até agora, não há evidências de que a obesidade tenha um impacto significativo no risco de ser infectado pelo vírus. O perigo só é maior quando a pessoa já está com a doença.


Possíveis causas desta relação


O motivo por trás dessa relação ainda não está totalmente claro, mas uma das hipóteses levantadas pelo Dr. O'Rahilly e pelo Dr. Lockhart é de que a resistência à insulina, relacionada aos depósitos de gordura fora do lugar normal, teria um papel crucial nessa questão. Outras possíveis causas abordadas no artigo são:


- Maior produção de substâncias que favorecem a inflamação;

- Menor produção de hormônios anti-inflamatórios;

- Alteração da imunidade favorecendo microtromboses no pulmão;

- Maior risco de tromboses em geral;

- Maior permeabilidade vascular;

- Presença de gordura nos alvéolos pulmonares.


Possíveis soluções


Frente a essas questões, os doutores defendem que dietas hipocalóricas (que possuem um limite de consumo calórico diário) conseguem melhorar a sensibilidade à insulina em poucos dias, assim com uma perda (mesmo que modesta) de peso com atividades físicas, além de medicações. Em curto prazo, esse conjunto de cuidados poderia ser uma forma de reduzir o risco de morte para muitas pessoas.


Em relação à hipótese da gordura nos alvéolos pulmonares, eles reforçam que, “embora não provado, é muito provável que a gordura pulmonar se reduza rapidamente após uma pessoa entrar em déficit calórico. Assim, mudanças modestas em dieta e exercício podem ter benefícios”.


Por mais que isso nos traga uma certa esperança, precisamos lembrar que são hipóteses, e que tudo o que é relacionado ao novo coronavírus e à Covid-19 ainda está sob estudo. Muitas coisas estão sendo e ainda serão descobertas pelo caminho, mas o que podemos fazer agora para reduzir os riscos é, definitivamente, mudar o nosso estilo de vida, tendo obesidade ou não.


Mais do que nunca, é hora de mudar a alimentação, seguir uma rotina de exercícios físicos e eliminar vícios e hábitos prejudiciais à saúde. Não podemos subestimar essa doença. Cuide-se, e comece hoje mesmo!



33 visualizações0 comentário