Buscar
  • dragisele

Kombucha: conheça os benefícios reais dessa bebida que ganhou os brasileiros


Para quem deseja adotar um estilo de vida mais saudável, é importante ter boas opções para escolher o que melhor se enquadra no paladar, não é mesmo? Atualmente, entre as variedades presentes nos cardápios, a bebida milenar de origem chinesa kombucha tem se tornado a queridinha.


O kombucha tem sido estudado e pesquisado em todo o mundo pela quantidade de benefícios que promete oferecer para a saúde.


Mas afinal, o que é o kombucha?


É uma bebida feita à base de chá, açúcar e uma cultura viva, conhecida como Scoby (sigla em inglês para Colônia Simbiótica de Bactérias e Leveduras). Trata-se de uma mistura de bactérias com leveduras que pode ser combinada ao chá verde ou preto. O tempo de preparo costuma variar de 10 a 14 dias.


Além da presença de diversas bactérias ácido-láticas, a composição da bebida inclui vários ácidos orgânicos. Compreende-se que o ácido acético produzido durante o processo de fermentação e os polifenóis dos chás utilizados podem contribuir para matar as bactérias ruins que causam infecções.


Benefícios


Acredita-se que, após a fermentação, o preparo se torna um tônico excelente para facilitar a digestão e a absorção de nutrientes, além da recuperação da flora intestinal.


O principal benefício do kombucha como um alimento fermentado, é a presença de probióticos, que são essenciais para a saúde intestinal. Isso favorece uma microbiota mais saudável, que ajuda a fortalecer o sistema imunológico e saúde geral do organismo. Por possuir chás em sua composição, o kombucha também tem propriedades antioxidantes e auxilia na perda de gordura.

Estudos realizados em animais comprovaram que a bebida também atua como protetora do fígado. O benefício é causado pela redução da toxicidade hepática.

Contraindicações

Quando não preparada do jeito certo, há o risco de a bebida ser contaminada por outras bactérias. Um exemplo é a Listeria monocytogenes, que pode ter efeito abortivo.

Crianças, pessoas com imunidade baixa, que tenham sensibilidade ao álcool, ou sejam alérgicas a chás e mulheres grávidas devem evitar o consumo, assim como os diabéticos, por conta da glicose.


Quem tiver problemas com gases também deve consumir a bebida com moderação, uma vez que a presença das moléculas de dióxido de carbono influenciam no inchaço da região abdominal.


10 visualizações0 comentário