Buscar
  • dragisele

Jejum intermitente se encaixa na sua rotina?


O jejum intermitente é uma estratégia caracterizada por uma alimentação em períodos alternados que tem como objetivo melhorar a composição corporal. A técnica, quando feita de forma orientada, pode ser aliada ao processo de emagrecimento.


Apesar de ter ganhado mais adeptos recentemente, o jejum intermitente não é um conceito novo. Durante séculos, as pessoas limitavam a ingestão de alimentos por motivos religiosos. Nos últimos anos, a prática de ficar sem comer de 16 a 48 horas ganhou força por apresentar efeitos positivos sobre algumas doenças, envelhecimento e principalmente perda de peso.


O método consiste no processo de entrar e sair de períodos de se alimentar e não se alimentar. Existem diferentes métodos de jejum intermitentes: uma dieta em jejum, conhecida como 5: 2, permite que você coma normalmente cinco dias por semana, enquanto os dias que restam são chamados dias de jejum, neles você consome apenas 500-600 calorias. Uma outra forma de praticar o jejum intermitente é restringindo todos os alimentos por 24 horas, uma ou duas vezes por semana.


Diferente do que muitas pessoas imaginam, restringir o corpo de comida por um período de tempo pode trazer benefícios físicos e mentais para o organismo. Se pararmos para pensar, do ponto de vista evolutivo, isso faz ainda mais sentido, afinal os seres humanos não realizavam três refeições diárias.


Pelo contrário, os seres humanos evoluíram justamente em situações em que não havia muita comida e aprenderam a progredir quando jejuavam. Hoje em dia tudo mudou, passamos a maior parte dos nossos dias sentados e temos uma diversidade de alimentos à nossa escolha. Consumimos sem necessidade, mesmo que nosso corpo não esteja adaptado a esse comportamento.


É notável que comer muitas vezes durante o dia nem sempre está relacionado a uma necessidade fisiológica. E esse hábito influencia no ganho de peso, principalmente quando ocorre maior consumo do que gasto energético, além de interferir na forma como o organismo se comporta diante da metabolização e digestão dos alimentos.


Benefícios da prática

Se o seu objetivo é perder gordura de maneira funcional, o jejum intermitente pode ser uma opção a se considerar, pois ele drena seu corpo das reservas de glicose, a principal fonte de energia dos alimentos e passa a queimar gordura, no processo de cetose.


Segundo um artigo divulgado pela "The New England Journal of Medicine", essa prática pode desencadear mudanças metabólicas capazes de aumentar a resistência ao estresse, possibilitar aumento da longevidade e diminuição da incidência de doenças como câncer e obesidade.


Entre os principais benefícios do jejum intermitente, podemos identificar:

- Aumento da energia física, disposição e qualidade de vida;

- Aceleração na queima de gordura corporal;

- Redução da resistência à insulina e proteção contra o diabetes tipo II;

- Diminuição do colesterol ruim (LDL);

- Reparação celular e a autofagia (quando o corpo consome células envelhecidas para produzir novas partes);

- Otimização das funções cognitivas e memória.

Como fazer o jejum intermitente

É importante lembrar que existem diversos métodos para o jejum intermitente e você deve encontrar o que melhor se adeque ao seu corpo e à sua rotina.


Uma boa dica para esse processo de descoberta e adaptação pode ser testar os diferentes métodos até encontrar aquele que se encaixe melhor em sua rotina de atividades. Conheça os principais métodos de jejum intermitente:

- Protocolo Leangains: jejum de 14 a 16 horas, e período de alimentação de 8 a 10 horas;

-Protocolo 5:2: jejum de 24h em 2 dias da semana e 5 dias de alimentação normal;

Eat-stop-sleep: jejum de 24 horas de uma a duas vezes por semana;

-Jejum intermitente em dias alternados: dias de jejum alternados com dias de alimentação comum. Quando for dia de jejum, deve-se fazer uma refeição de 400 calorias (mulheres) ou 600 (homens) próximo ao horário de almoço, e posteriormente ficar sem comer até o próximo dia;

-Dieta do guerreiro: requer um jejum diário de 20 horas. No período da noite, você pode comer tudo o que tiver vontade de comer por 4 horas.


Doutora, é verdade que todo mundo pode incluir o jejum intermitente na rotina?

Mito! A maioria das pessoas não possuem indicação para um jejum prolongado, e não devem ficar mais de 12 horas sem comer. Devido às restrições que a dieta exige, é fundamental consultar com um médico nutrólogo antes de começar a fazer o jejum intermitente, tanto para saber se está liberado, quanto para ter um acompanhamento profissional.


Não se esqueça que o jejum, se for realizado sem orientação, pode oferecer riscos à saúde. Entre os problemas estão dores de cabeça, náuseas e desmaios.

3 visualizações0 comentário