Buscar
  • dragisele

Entenda a Tireoidite de Hashimoto, a doença que prejudica sua saúde e faz engordar


Você já ouviu falar em Tireoidite de Hashimoto? É uma doença autoimune que provoca alguns incômodos no dia a dia, sendo a causa mais comum do hipotireoidismo.


A Síndrome de Hashimoto atinge de 5 a 10% da população e, devido a uma predisposição genética, afeta mais as mulheres. Estudos realizados apontam que quem tem familiar de primeiro grau com a doença, apresenta 9 vezes mais chances de desenvolver a condição.

Quando o hipotireoidismo está presente, percebe-se uma diminuição do metabolismo. Com isso, surgem sintomas como sonolência, cansaço, alterações menstruais, redução na libido, dificuldade de concentração, constipação, batimentos cardíacos mais lentos, queda de cabelo, pele ressecada e retenção de líquidos, levando o paciente a engordar.

Para fazer o diagnóstico de Tireoidite de Hashimoto, será solicitado ao paciente sintomático uma série de exames laboratoriais, como a dosagem de TSH, responsável por analisar problemas na tireoide dos pacientes. Quando a glândula tireóide reduz a produção dos hormônios T3 e T4, o TSH aumenta e tenta compensar a redução na produção hormonal. Aparentemente, de imediato, isso parece manter uma estabilidade da situação, mas com o passar do tempo deixa de ser suficiente e o paciente tem os hormônios T3 e T4 reduzidos, conhecido como o hipotireiodismo franco.

Em seguida, são dosados os autoanticorpos, anti-tireoperoxidase (anti TPO) e anti- tireoglobulina (anti TG). Se elevados, fazem diagnóstico da causa do hipotireoidismo, a tireoidite de Hashimoto. Lembrando que pode ter elevação apenas de um deles, sendo mais comum o anti TPO.

Quando há alterações na região cervical e no exame físico, pode ser recomendado realizar o exame de ultrassonografia cervical. Neste caso, podem surgir outras anormalidades, como vascularização, tamanho da tireoide, que varia conforme a fase, ou em alguns casos em que ela fica mais crônica ou aguda.

“Mas doutora, essa doença tem cura?”

Embora se trate de uma doença que não tem cura, o tratamento é bastante eficaz. É feita a reposição hormonal com levotiroxina, um hormônio sintético. O tratamento ideal é feito também através de reposição da substância ajustada para o peso de cada paciente, sempre mantendo acompanhamento para o controle ideal.

Acredita-se que alguns fatores poderiam amenizar o ataque às células tireoidianas, como a vitamina D e o selênio, mas os estudos ainda não comprovaram esta vantagem.

O paciente que convive com a Síndrome de Hashimoto, deve consumir moderadamente alguns alimentos, como soja, couve flor e nabo, que são ricos em tiocianato e isoflavonas, substâncias capazes de reduzir um pouco a absorção do iodo intestinal e levar a uma progressão mais rápida do hipotireoidismo.

É fundamental que o paciente leve uma vida mais saudável, com uma rotina que inclua alimentação balanceada, atividade física, controle o estresse e evite o excesso de consumo alcoólico e tabagismo, para ter melhor qualidade de vida e evitar que ocorra uma evolução da doença.


16 visualizações0 comentário