Buscar
  • dragisele

Desreguladores endócrinos: descubra o que são e como podem estar prejudicando de você



Você já ouviu falar dos desreguladores endócrinos? Eles são compostos artificiais ou naturais prejudiciais ao nosso organismo. Muitos deles estão escondidos em produtos do nosso dia a dia, como garrafas plásticas, latas de alimentos de metal, detergentes e esmaltes.

Na prática, esses desreguladores são capazes de interferir na ação dos nossos hormônios, alterando o funcionamento do corpo e abrindo espaço para o surgimento de doenças. Vale destacar que o contato com eles pode acontecer de diversas formas, entre elas: por inalação, ingestão ou absorção pela pele.

Desreguladores endócrinos mais comuns

Existem milhares de produtos químicos aos quais estamos expostos no dia a dia, sendo que parte deles interferem no funcionamento hormonal. Pesquisas mundo afora ainda tentam entender melhor os riscos e as consequências desses desreguladores no nosso organismo.

Confira os desreguladores mais comuns:

  • PBDE: Este composto evita que produtos peguem fogo, agindo para retardar o surgimento das chamas. Está presente em eletrônicos, como celulares e televisões, móveis e colchões. Há indícios de que cause distúrbio na tireoide e infertilidade.

  • Dioxinas: Composto presente em pesticidas. Há indicativos de que cause infertilidade, aborto, diabetes e endometriose.

  • Chumbo: Este elemento químico pode ser encontrado em tintas, cigarros e água encanada. Há indícios de que ele cause distúrbios na tireoide.

  • Bisfenol A: é encontrado em alguns tipos de plástico e no revestimento de enlatados. Há indicativos de que este composto cause obesidade, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares.

  • Compostos organofosforados: encontrados em inseticidas. Podem causar problemas na gestação.

  • Perclorato: Encontrado em fogos de artifício. Pode afetar a tireoide, causando distúrbios.

  • Arsênico: Encontrado em pesticidas, alimentos e água encanada. Pode causar alguns tipos de câncer, como de pele e de bexiga, e alterações sexuais.

  • Ftalato: É encontrado em cosméticos, esmaltes e couro sintético. Pode causar interferência em hormônios, como testosterona e estrogênio, e no desenvolvimento das mamas.

  • Químicos perfluorados: Encontrados em panelas antiaderentes, roupas, carpetes e capas de chuva. Podem causar distúrbios na tireoide e infertilidade.

Como evitar os reguladores endócrinos?

Deu para perceber como os desreguladores endócrinos estão presentes no nosso dia a dia e muita gente nem sabe da sua existência, não é mesmo?! Mas é possível, sim, minimizar o contato e a exposição a eles. Confira algumas dicas:

  • Dê preferência a alimentos orgânicos, que não tiveram contato com agrotóxicos.

  • No preparo dos alimentos, não use tábuas e recipientes de plástico. Dê preferência para esses objetos em vidro temperado.

  • Lave muito bem frutas e legumes.

  • Não deixe alimentos em recipientes plásticos no micro-ondas. O calor potencializa a transferência de substâncias químicas para os alimentos.

  • Evite dar às crianças brinquedos e mordedores plásticos.

  • Fique atento aos objetos e produtos que são desreguladores endócrinos (citados acima neste texto). Se possível, reduza o uso deles na sua rotina.

A pesquisa sobre os desreguladores endócrinos

Ainda não existem muitas pesquisas sobre o assunto no Brasil. No cenário mundial, a primeira pista de que existiam substâncias no ambiente capazes de afetar o sistema endocrinológico foi apontado pela bióloga americana Rachel Carson. Ela relatou no livro Primavera Silenciosa, de 1962, como os pesticidas, especialmente o DDT (diclorodifeniltricloroetano), prejudicavam a reprodução e até matavam os pássaros. Alguns anos depois, esse pesticida foi proibido na agricultura nos Estados Unidos.


O fato é que muito se tem a pesquisar sobre o assunto. Os danos e efeitos negativos à saúde ainda não são exatos, podendo ser imediatos ou percebidos muitos anos mais tarde. Existem pesquisas que indicam a possibilidade desses desreguladores afetarem gerações futuras por meio da hereditariedade. Vamos acompanhando!


44 visualizações0 comentário